Urubici/ SC – roteiro de 3 dias

Em julho deste ano (2017) realizamos novamente uma expedição paraconhecer e revisitar alguns cânions e cachoeiras nos estados de SC e RS. O lugar é fantástico e percebemos que poucos brasileiros conhecem bem essa rota.

O turismo da região como um todo e sempre que voltamos lá tem alguma coisa diferente. Muitas vezes os locais tem pouca ou nenhuma estrutura (que a gente prefere), mas existe opção de passeios bem estruturados também pra quem vai com crianças ou pessoas de mais idade.

A primeira dica sobre o lugar é a seguinte. NÃO MARQUEM SIMPLESMENTE UMA DATA E VIAGEM PRA LÁ! Por que a gente recomenda isso? Porque a região sofre muito com a formação de neblinas, principalmente quando o ar úmido vem do litoral, sobe o paredão dos cânions e se condensa por conta da diferença de temperatura. Essa formação, chamada de viração, pode chegar e desaparecer em poucos minutos ou ficar por vários dias. É comum relatos de pessoas que viajaram e voltaram sem ver praticamente nada. Com a gente já aconteceu isso, de ter que cortar a viagem pela metade porque não tinha como visitar os cânions. Então, marquem um período maior e fiquem de olho nas previsões do tempo! A gente recomenda pra esse local ficar de olho nas previsões do Ronaldo Coutinho no Climaterra.

Vamos dividir as publicações dessa expedição por cidades, ok? Assim achamos que ficará mais fácil pra vocês formarem seu próprio roteiro.


01º dia (20/07) – Urubici/ SC – Morro da Igreja e Serra do Corvo Branco

       

Saímos do interior de SP na madrugada do dia 19 e viajamos durante todo o dia. É um trecho bem longo e que não rende muito, então demora!!! Em Urubici, fomos direto para o Camping e Pousada Nossa Senhora das Graças, com acesso super fácil e ótima estrutura. Informações e contato aqui.

No primeiro dia em Urubici decidimos ir ao Morro da Igreja e à Serra do Corvo Branco. Estávamos cansados da viagem do dia anterior e seria um passeio mais tranquilo.

Para visitar o Morro da Igreja no Parque Nacional São Joaquim é necessário antes pegar uma autorização na sede do ICMBio na cidade de Urubici. A autorização não custa nada e pode até mesmo ser pedida com antecedência por e-mail. Como o acesso ao local é restrito a um certo número de visitantes por dia, em épocas de alta temperada pode ser difícil conseguir a autorização na hora. Todas as informações sobre o Parque, sobre as autorizações e horários você encontra direto no site do Parque Nacional São Joaquim.

O Acesso ao Morro é todo por asfalto, bem tranquilo. Na base do Morro é possível visitar também a Cascata Véu de Noiva, dentro de uma propriedade particular com restaurante.

Saindo do Morro da Igreja fomos revisitar a Serra do Corvo Branco. A Serra está sem manutenção adequada e é bem perigoso ficar no local por conta de alguns deslizamentos que vêm acontecendo de vez em quando. Tem pouca sinalização no local, e como é a única rota entre Grão-Pará e Urubici a população continua usando a estrada normalmente. É bem interessante percorrer a serra até o final e voltar. São visões únicas do lugar!

Como ainda tínhamos tempo no final da tarde decidimos ir à Cascata do Avencal na parte de baixo. A gente não lembrava qual era o melhor horário pra visitar lá e descobrimos da pior maneira (porque fomos até lá) que o correto é ir de manhã.. à tarde as sombras tomam conta da Cascata. Então nem vamos mencionar aqui, deixamos pra revisitar no outro dia.

Distância percorrida no dia, 126km.


02º dia (21/07) – Urubici/ SC – Cascata do Avencal, Inscrições Rupestres e Cânion Espraiado

      

Nosso segundo dia em Urubici começa deixando o Camping Nossa Senhora das Graças para ir até a Cascata do Avencal, uma cachoeira enorme, com 100m de queda livre. Realmente não tem como deixar de ir lá pela manhã pois é quando o sol ilumina a cachoeira bem de frente. A trilha é pequena, coisa de 500 a 700m, mas é um tanto difícil (não para os experientes, mas pras pessoas que não tem hábito de fazer trilhas) por conta das pedras do rio. Existem desníveis acentuados e pessoas de mais idade podem ter dificuldade. O acesso na parte de baixo é gratuito, não existe até a presente data nenhum tipo de portaria.

Após sair da parte de baixo do Avencal , no caminho para a parte alta existe um ponto onde é possível observar antigas inscrições na pedra de povos que viveram a cerca de 4000 anos na região. O acesso é bem próximo do asfalto e vale a pena. Totalmente gratuito. (Infelizmente tivemos um probleminha na câmera e não filmamos o local). É possível ver a Cascata bem ao longe.

Seguindo pelo aslfalto que leva a Bom Jardim da Serra e Sâo Joaquim, logo à frente existem as placas indicando a parte alta da Cascata do Avencal. Neste caso o acesso é numa propriedade particular que oferece diversos tipos de passeios aos visitantes. O acesso ao local é R$7,00 por pessoa e cada passeio cobrado à parte. Sinceramente? Não achamos que vale a pena porque a visão da cachoeira ali é bem prejudicada. Mas é o local mais visitado ali em volta por conta da estrutura aos turistas.

Pra fechar o dia subimos a serra que leva ao cânion Espraiado. O acesso ao local depende de autorização dos proprietários e é possível acampar lá em cima desde que combinado anteriormente. Indicamos o contato com a Carol (proprietária) que nos atendeu super bem. Na data que estivemos lá, a visitação ao cânion era R$20,00 por pessoa, e o Acampamento R$30,00 por pessoa. Mas da seguinte forma, se fosse acampar eram cobrados somente os R$30,00. A Carol oferece também uma casa de apoio com beliches e cama de casal pra quem não leva barraca ou simplesmente quer um pouco mais de conforto. O valor cobrado para a casa é R$50,00 por pessoa.

IMPORTANTE: A subida ao Cânion Espraiado só é possível ser feita através de veículos 4×4 ou à pé. Caso não tenha um 4×4 e não queira encarar a difícil subida à pé, a Carol te leva até lá com o 4×4 dela!

Carol – telefone/ whatsapp (49) 9153-1473
instagram e facebook: @canionespraiado

Distância percorrida no dia: 69km.


 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *